Biografia

Servo de Deus Padre Alberto Fuger

História, vida e devoção

 

*  Dinsheim/Bas-Rhin  •  França, 1892

†  Campo Belo/MG  •  Brasil, 1970

 

PADRE ALBERTO FUGER nasceu em Dinsheim,  Alsácia Francesa, aos 14 de maio de 1892. Fez o curso primário com os Capuchinhos de Strasbourg. Ingressou na Companhia de Jesus aos 31 de março de 1913, em Feldkirch, Áustria. Iniciou o curso de Filosofia em 1915,interrompendo-o por dois anos para servir como enfermeiro de guerra, finalizando-o em 1920.

Veio para o Brasil em 1921, para Florianópolis. No Colégio Catarinense, foi Prefeito dos Alunos, Professor de Francês, de Matemática e cuidou do museu. Voltou à Europa, onde cursou a Teologia, de 1924 a 1926, em Valckemburg, na Holanda, sendo ordenado sacerdote dia 26 de agosto de 1925.

Retornando ao Brasil, exerceu seu ministério em Florianópolis, Pareci Novo (RS) e Porto Alegre, tendo sido Prefeito Geral, Prefeito Espiritual, Diretor da Congregação Mariana e professor de diversas matérias (Latim, Francês, Geografia, História, Filosofia, Química, Física e Religião), sempre estimado por todos e tido por homem santo e excelente jesuíta.

Dia 02 de julho de 1948, saiu a seu pedido, da Companhia de Jesus e, apresentado por seu amigo, o Cardeal Dom Jaime de Barros Câmara, foi recebido na diocese de Oliveira por Dom José Medeiros Leite. Este o enviou a Campo Belo, dando-lhe imediatamente uso de ordens e nomeando-o confessor ordinário das Irmãs Servas do Espírito Santo, em cujo Colégio lecionou por muitos anos. Em 1950, depois de alguns meses na Casa Paroquial, passou a residir na Vila Vicentina Furtado de Menezes, onde dedicou sua vida ao cuidado dos doentes, pobres, abandonados e doentes mentais, de quem foi pai, médico, enfermeiro e capelão. Foi ainda confessor ordinário das religiosas. As Pequenas Irmãs da Divina Providência, a um pedido seu, abriram casa religiosa na mesma Vila.

Diretor da Vila Vicentina, assistente eclesiástico da Ação Católica de Campo Belo, Vigário Cooperador da Paróquia Senhor Bom Jesus e Vigário Encarregado da mesma pelo tempo de um ano; preparou a chegada dos padres da Ordem da Santa Cruz. Substituiu ainda diversos sacerdotes nas paróquias vizinhas e colaborou com assiduidade nas festas, especialmente na Semana Santa, não retendo para si dinheiro algum. Seus honorários como professor do Colégio São José eram incluídos no caixa da Vila Vicentina Furtado de Menezes.

Padre Alberto tinha uma maneira toda especial de tratar os doentes mentais. Com equilíbrio e voz pausada, dominava a pessoa, acalmando-a nas crises e deixando-a tranquila. Com sua presença, a Vila Vicentina era um ambiente de paz.

Dotado de conhecimentos médicos e de Psiquiatria, que estudou em Zurich, com sabedoria e humildade, diagnosticava várias doenças, quando outros médicos tinham dificuldade. Sabia ouvir a todos com paciência e as pessoas, por este motivo, o procuravam cada vez mais. Das cidades vizinhas, muitos acorriam a ele, tendo pregado mais de 300 retiros espirituais em sua vida sacerdotal.

Faleceu dia 17 de dezembro de 1970, no Hospital São Vicente de Paulo, vítima de hemorragia cerebral, assistido pelo seu amigo Dr. Wilson Massoti e pelas suas queridas irmãs da Divina Providência. Sepultado na Capela São Vicente de Paulo da Vila Vicentina, em Campo Belo, seu túmulo tornou-se ponto de devoção de numerosos fiéis que buscam sua intercessão, atestada por numerosas graças.

Seu nome foi dado a uma escola e a estabelecimentos comerciais em Campo Belo, onde dedicou 22 anos de sua vida aos pobres, ao ensino e à direção espiritual dos fiéis. Não deixou bem algum a não ser os objetos pessoais e os poucos livros. Nem mesmo os que escreveu tinha em sua biblioteca.

Missa de início do Processo de Beatificação 

Tenha você também a sua rádio